domingo, 13 de junho de 2010

Paixão de um poeta

Era uma vez um poeta
Que tinha uma grande paixão
Era um amor impossível
Cheio de grande emoção.

Certo dia no jardim,
olhando as flores da violeta,
cai em prantos o poeta,
pois entre as flores jazia
Sua linda borboleta.

Imaginou esta história
pra selar o seu destino
pois sabia que seu amor
era mesmo impossível.

Como pode um poeta
amar uma borbolea?

Fechou os olhos e fingiu
estar dormindo.
A borboleta então,bateu asas e voou.
E o poeta apaixonado
deste sonho jamais acordou...
Por Luiz.

Preguiça

 
 
 
 
Posted by Picasa

sexta-feira, 11 de junho de 2010

 

 

 

 
Posted by Picasa

Fotos roça!

 

 

 

 
Posted by Picasa

O poeta e a borboleta

Poeta!Não se iluda!
Borboetas são lindas,
Mas não tem sentimentos,
tem instintos.
Peregrinam de flor em flor
A procura do meu.
Visitam todas,
Mas sem deixar sinais
Alçam voos,partem
sem deixar pegadas.
Seus olhos,suas pintas,encantam
Mas seus encantos,
talvez sejam exclusivos...

O poeta.Ah! O poeta!
O poeta,sonha,sente
Apaixona,escreve e chora.
Se ilude,mas,não desiste nunca.
O poeta vive no mundo dos sonhos,
da loucura,
Tudo é possível,
A distancia,os perigos
Não desviam seus sentimentos.
Sua esperança...

Por Luiz

Lamentos

Altas horas
Acordo
Tenho um pressentimento
Você ignora
Um grande sentimento.
Nos meus olhos lágrimas,
Sofrimento.
Não me ouves senhora?
Ressentimento.
Sem demora
vou partir..

Por Luiz.

Sinfonia dos pássaros

Escondido entre os galhos
Um sabiá,na laranjeira canta
As flores úmidas de orvalho
Agradecem aquela canção romantica.

No cantinho da varanda,
Ouve-se o canto estridente do canário.
O bem-ti-vi do alto denuncia
Apresença de alguém no meu cenário.

Bate a porteira,passos trôpegos
Um andar cambaleante e raro,
A siriema corre gritando alegre.
Os pássaros,
Então entoam,
Como em uma orquestra
Uma bela canção em coro.

No meu retiro sinto a vontade
Em meio a flores e amores
Dedilho poemas e versos
E para ela,envio o aroma
Das mais belas flores.

Por Luiz.

Morena

Morena,morena
Seu andar de boneca
Seu modo sapeca
Seu jeito sereno
Seu olhar sincero
Seu corpo eu quero
Pertinho ao meu.

Se eu pudesse
No tempo voltar,
Poder nos teus braços
me atirar
Sentir teu perfume
Ser um vagalume...
Te iluminar.

Queria que a brisa
De leve a tocasse
E que o vento
Pra longe a levasse
e na sombra,no sonho
Pudesse encontrarte.

Por Luiz.

domingo, 6 de junho de 2010