sábado, 27 de novembro de 2010

Homenagem ao meu pai!


 O último dia de um carreiro
Manhã de sol.
O galo cantava frenéticamente, prenunciando o alvorecer de um novo dia.
Pássaros canoros entoavam belíssimas melodias como se estivessem comemorando o assomar sorrateiro dos primeiros raios solares, que infiltravam, atrevidamente, por entre abundantes folhagens da vegetação; evaporando os salpicos de orvalho que por ali se aglutinavam.
O carreiro levantou-se, juntou gravetos, e com o braseiro que restava no borralho do fogão, reacendeu o fogo, preparou uma merenda, e, sorveu uma caneca de café.
Juntou o gado, desleitou as vacas. Atrelou a junta de bois ao carro e partiu para a labuta.
No cabeçalho do carro, empertigado  como um REI, tangia os bois com  destreza e habilidade, com palavras simples e objetivas, dialogava co a parelha.
 Ramos  floridos  moviam-se horizontalmente na passagem lenta e monótona do carro, que deslizava suavemente, serpenteando pelos caminhos tortuosos.
Sobre um espigão, destacava-se na paisagem, um esplêndido cruzeiro, que reinava majestosamente: era ali o ponto final de nosso herói.
Um pequeno barranco, um ressalto natural provocado pela erosão das enxurradas, que por ali, caprichosamente, deixara um sulco.

Um escorregão, um tombo. Sua cabeça chocou-se na terra batida, no canto da estrada. Ele se foi, não se despediu de ninguém, deixando para trás a tristeza e a dor.
´A  natureza cantava no mesmo ritmo. Mas o carreiro formoso despediu-se, naquela sua última viagem, do mundo.
Como um pretexto mudo, nunca mais se ouviu  na redondeza, um carro cantando como aquele,  que acompanhou o último suspiro do carreiro.
“MEU PAI”.



A importancia da preservação ambiental.




Posted by Picasa

terça-feira, 16 de novembro de 2010

AMIZADE

AMIZADE



AH!Esta nossa amizade!
Distante,fatal....
Nos deixa saudades...
É fato real...

Buscar em teus braços,
Conforto moral...
Sentir teu abraço
Ouvindo as cantatas de um belo coral.

Ó borboleta se sentes por mim
o que sinto por ti..
Não me deixes sozinho sofrendo assim...

Luiz.

domingo, 14 de novembro de 2010

FATALIDADE

Noite fria,céu nublado
Ouve-se um miado angustiante,
no telhado.
Um gato aflito corria tresloucado,
prenunciando a tempestade.
na estrada abandonada,
ecoa um grito lancinante.
uma mãe desesperada,
deixava seu filho ali naquele instante.
Contorcendo-se em dores violentas,
não consegue proteger
seu filho da tormenta.
Cai sem vida na estrada lamacenta.

Por Luiz.

Chácara Canto do Canário

 

 

 

 
Posted by Picasa