quarta-feira, 9 de maio de 2012

Carência!

                                       Carência
Nesta vida tão vazia
Desprovido de amor
Desejaria ser um dia,
Como a flor e seu perfume
Tocar o seu corpo cheiroso
Sentir teu abraço gostoso
Viver momentos felizes
Esquecer os pequenos deslizes
E acreditar novamente no amor.
Mas como não sou esta flor
Não vivo momentos de amor
O que eu cinto é amargura
E como a estrela cadente
Deslocasse das alturas
Viverei eternamente
 Nesta completa loucura.


Luiz


Um comentário:

  1. Como sempre tudo maravilhoso e poesias que dispensa elogios.obrigadooo

    ResponderExcluir